Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 13 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Putin diz que tem estoque suficiente de bomba de fragmentação e ameaça EUA

Armamento foi enviado pelos Estados Unidos à Ucrânia na semana passada; com alto poder de destruição, munição é criticada por grupos humanitários e por alguns aliados dos EUA

Putin diz ter estoque suficiente de bomba de fragmentação e ameaça EUA – (crédito: Sergei Guneyev/AFP)

O presidente russo Vladimir Putin disse em uma entrevista publicada no domingo que a Rússia tem um “estoque suficiente” de munições cluster, as conhecidas bombas de fragmentação, e alertou que o País “se reserva o direito de tomar medidas recíprocas” se a Ucrânia usar as controversas armas do mesmo porte enviadas pelos Estados Unidos.

Em seus primeiros comentários sobre a entrega de munições cluster para a Ucrânia dos EUA, Putin disse que a Rússia não usou bombas de fragmentação durante a guerra na Ucrânia até agora. O uso de bombas de fragmentação pela Rússia e pela Ucrânia foi amplamente documentado pela imprensa e por órgãos internacionais, e bombas de fragmentação foram encontradas após os ataques russos. “Até agora, não fizemos isso, não usamos e não tivemos essa necessidade”, disse ele.

O repórter da Rossiya TV, Pavel Zarubin, publicou trechos da entrevista em seu canal Telegram no domingo, antes de uma transmissão programada para a noite de domingo.

O Pentágono disse na quinta-feira, 13, que as munições cluster fornecidas pelos Estados Unidos chegaram à Ucrânia. Esse tipo de munição são bombas que abrem no ar e liberam dezenas de outras pequenas bombas. O armamento é visto pelos EUA como uma forma de obter a munição necessária para ajudar Kiev a reforçar sua ofensiva e avançar nas linhas de frente russas. Os líderes dos EUA debateram a questão espinhosa por meses, antes que o presidente Joe Biden tomasse a decisão final na semana passada.

Há muito tempo as bombas de fragmentação são criticadas por grupos humanitários e por alguns aliados dos EUA, já que as usadas em conflitos anteriores tiveram uma alta “taxa de insucesso”. Isso porque, em muitas vezes, elas deixam para trás pequenas bombas não detonadas que, por sua vez, podem prejudicar civis a longo prazo, depois do fim da batalha. Esse tipo de bomba é proibido em mais de 100 países.

Os proponentes argumentam que a Rússia já está usando munições cluster na Ucrânia e que as armas que os EUA estão fornecendo foram aprimoradas para deixar para trás menos cartuchos não detonados. A Ucrânia prometeu usá-las apenas longe de áreas densamente povoadas.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.