Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 27 de maio de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Por que Colômbia é 2º país da América Latina a anunciar corte de relações com Israel

Gustavo Petro anunciou o rompimento durante discurso em Bogotá

REUTERS

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, anunciou nesta quarta-feira (1º) que seu país vai romper relações diplomáticas com Israel.

“Aqui, diante de vocês, o presidente da república informa que amanhã as relações diplomáticas com o Estado de Israel serão rompidas”, disse.

O anúncio do Petro ocorreu diante de milhares de apoiadores em Bogotá, capital colombiana, durante evento em comemoração ao Dia Internacional do Trabalho.

Petro já havia criticado duramente as ações de Israel em Gaza em sua guerra contra o grupo islâmico Hamas. Mais de 34,5 mil palestinos foram mortos no confronto.

“Hoje, a humanidade, em todas as ruas, concorda conosco. A era do genocídio, do extermínio de um povo inteiro diante dos nossos olhos, diante da nossa humanidade, não pode voltar”, disse Petro.

A ruptura nas relações anunciada pelo governo colombiano, o primeiro de esquerda na história do país, representa uma mudança de 180 graus na política de gestões anteriores, que estabeleceram a Colômbia como o principal aliado de Israel na região.

REUTERS
Legenda da foto,Há meses, Gustavo Petro vem criticando as ações de Israel em Gaza

Deterioração progressiva

As relações entre Israel e a Colômbia esfriaram progressivamente desde que as forças israelenses responderam ao ataque sem precedentes que o Hamas realizou no seu território em 7 de outubro de 2023.

A incursão do Hamas terminou com mais de 1,2 mil mortos e 240 pessoas feitas reféns.

Poucos dias após a escalada do conflito, Israel disse que iria “suspender as exportações de [itens de] segurança” para a Colômbia depois que Petro comparou a linguagem do ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, à usada pelos “nazistas contra os judeus”.

Em fevereiro desse ano, uma fala semelhante do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva (PT), comparando as ações de Israel em Gaza ao Holocausto, gerou uma crise diplomática, incluindo a convocação de embaixadores (leia mais abaixo).

Enquanto isso, também em fevereiro, Petro suspendeu as compras de armas de Israel depois da morte de dezenas de pessoas que estavam procurando alimentos em Gaza durante uma ofensiva israelense.

O presidente colombiano descreveu estes atos como “genocídio”, disse que lembravam o Holocausto e acrescentou que o mundo deveria “impedir” Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro israelense.

Em novembro do ano passado, a Bolívia tornou-se o primeiro país da região a romper relações com Israel depois do 7 de outubro.

A decisão foi anunciada pela ministra da Presidência, María Nela Prada, e pelo vice-chanceler das Relações Exteriores, Freddy Mamani.

A Bolívia “tomou a determinação de romper relações diplomáticas com o Estado de Israel em repúdio e condenação à agressiva e desproporcional ofensiva militar que ocorre na Faixa de Gaza”, declarou Mamani.

Fim da ‘relação especial’?

Em 2020, o então governo de Iván Duque na Colômbia assinou um Acordo de Livre Comércio “de última geração” com Israel.

Foi o passo com que a Colômbia se estabeleceu como principal aliada de Israel na América do Sul, aprofundando uma relação que se fortaleceu rapidamente nos 20 anos anteriores.

Desde o início do século 20 e durante a Guerra Fria, a Colômbia foi também um aliado importante dos Estados Unidos na América Latina.

“E a conjunção de interesses entre os dois países e Israel levou à criação de um triângulo estratégico entre os três”, explica Marcos Peckell, professor de diplomacia e relações internacionais, à BBC News Mundo (serviço em espanhol da BBC).

Após o ataque às Torres Gêmeas em 2001 e a chegada ao poder de Álvaro Uribe em 2002, a Colômbia juntou-se ao que os Estados Unidos chamaram de “guerra global contra o terrorismo”.

GETTY IMAGES
Legenda da foto,O ex-presidente Iván Duque optou por uma política de fortalecimento das relações com Israel

A partir desse momento, a Colômbia declarou as guerrilhas como “organizações terroristas” e passou classificar o conflito armado com esses grupos como uma “ameaça terrorista”.

E foi então que os militares israelenses, que durante décadas enfrentaram movimentos que consideram terroristas como o Hamas e o Hezbollah, intervieram plenamente para apoiar as Forças Armadas Colombianas.

Entre 2002 e 2006, segundo dados oficiais, a importação de material militar de Israel para a Colômbia duplicou.

A cooperação não foi apenas militar.

Nos últimos 24 anos, por exemplo, milhares de colombianos participaram do Mashav, um programa educativo do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel que forma estrangeiros em Medicina, Agricultura e Tecnologia.

Por isso, é tão comum ver colombianos e israelenses passarem meses ou anos em intercâmbio no outro país em busca de formação.

Ainda não se sabe o que pode acontecer com essa “relação especial” após a decisão anunciada por Petro.

A posição do Brasil sobre o conflito no Oriente Médio

RICARDO STUCKERT/PR
Legenda da foto,Lula comparou a guerra de Israel contra Gaza, que ja matou mais de 34 mil palestinos, ao Holocausto

Embora as relações entre Brasil e Israel estejam mantidas, elas ficaram estremecidas nos últimos meses.

Tradicionalmente, a diplomacia brasileira defende o direito palestino a um Estado independente e critica a ocupação de seu território por Israel.

A situação entre Brasil e Israel se agravou em fevereiro, após o presidente Lula comparar a ação militar em Gaza ao Holocausto promovido pelo governo nazista da Alemanha, que matou milhões de judeus na tentativa de exterminar esse povo.

Como resposta, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, chamou o embaixador brasileiro, Frederico Meyer, para um encontro no Museu do Holocausto.

Na ocasião, afirmou que Lula tornou-se “persona non grata” no país e não é bem-vindo em Israel.

Após o episódio, o Itamaraty convocou Meyer de volta ao Brasil, numa ação que demonstrou a insatisfação brasileira com a atitude israelense.

Em abril, o governo brasileiro deixou de condenar um ataque do Irã ao território israelense.

Pela primeira vez, o Irã realizou ataques diretos contra o território de Israel, com o lançamento de muitos mísseis e drones.

Os dispositivos — mais de 300, segundo Israel — não chegaram a atingir o país, porque foram interceptados pelo sistema de defesa aéreo israelense, com apoio de aliados, como Estados Unidos e França.

O governo iraniano disse que a ação era uma resposta ao ataque ao seu consulado na Síria, no dia 1º de abril, que Teerã atribuiu a Israel (embora Israel não tenha confirmado ser o autor).

O bombardeio matou 13 pessoas, incluindo um general de 63 anos com um longo histórico de serviços prestados ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica, o poderoso exército paralelo do Irã — e o mais numeroso dentro das suas Forças Armadas.

Naquela ocasião, o Itamaraty divulgou uma nota condenando o ataque ao consulado iraniano, sem mencionar Israel diretamente.

Agora, após os ataques iranianos, a diplomacia brasileira também se posicionou por meio de nota, em que manifestou preocupação com a situação no Oriente Médio, mas não condenou expressamente a agressão.

“O Governo brasileiro acompanha, com grave preocupação, relatos de envio de drones e mísseis do Irã em direção a Israel, deixando em alerta países vizinhos como Jordânia e Síria”, disse a nota na ocasião.

“Desde o início do conflito em curso na Faixa de Gaza, o Governo brasileiro vem alertando sobre o potencial destrutivo do alastramento das hostilidades à Cisjordânia e para outros países, como Líbano, Síria, Iêmen e, agora, o Irã”, continuou o comunicado.

A nota pedia ainda “a todas as partes envolvidas que exerçam máxima contenção” e conclamava “a comunidade internacional a mobilizar esforços no sentido de evitar uma escalada”.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.