Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 20 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

G20: chanceleres expressam temor de guerra em Gaza se alastrar

Vieira diz que representantes de países da organização mostraram preocupação com o conflito e com o risco de envolver outras nações

Vieira: “Destacou-se a virtual unanimidade no apoio à solução dos dois Estados como sendo a única opção possível para o conflito entre Israel e Palestina” – (crédito: Mauro Pimentel/AFP)

No último dia do encontro de chanceleres do G20, no Rio, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, afirmou que um grande número de países, de todas as regiões, expressou preocupação com o conflito na Faixa de Gaza e o temor de que a guerra se alastre para nações vizinhas.

Vieira disse que os chanceleres “conferiram especial destaque” ao “deslocamento forçado de mais de 1,1 milhão de palestinos para o sul da Faixa de Gaza”. “Nesse contexto, houve diversos pedidos em favor da liberação imediata do acesso para ajuda humanitária na Palestina, bem como apelos para o fim das hostilidades”, ressaltou. “Vários demandaram a imediata libertação dos reféns em poder do Hamas.”

“Muitos se posicionaram contrariamente à anunciada operação de Israel em Rafah, pedindo que o governo de Israel reconsidere e suspenda imediatamente essa decisão”, informou. Nesta quinta-feira, Israel voltou a bombardear Rafah.

Segundo Vieira, os representantes dos Estados membros do G20 concordaram que a única forma de solucionar o conflito no Oriente Médio é apoiando a coexistência pacífica entre Estados independentes de Israel e da Palestina. “Destacou-se ademais a virtual unanimidade no apoio à solução dos dois Estados como sendo a única opção possível para o conflito entre Israel e Palestina”, frisou. Houve reiterada condenação, também, à guerra na Ucrânia.

Governança global

Na abertura do encontro, na quarta-feira, Vieira criticou a “paralisia” do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) ante os conflitos pelo mundo. Na coletiva desta quinta-feira, ressaltou que a reforma da governança global, para o Brasil, é uma pauta “urgente e prioritária”.

“Todos concordaram com o fato de que as principais instituições multilaterais (ONU, Organização Mundial do Comércio, Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional), entre outros, precisam de reforma para se adaptarem aos desafios do mundo atual”, declarou.

Em relação à ONU, o ministro afirmou que os países integrantes do G20 entraram em consenso sobre a necessidade de a organização ter uma atuação mais contundente em relação à promoção da paz.

“Houve consenso quanto à essencialidade da organização para a paz e a segurança e para a promoção do desenvolvimento sustentável. Por isso, todos mencionaram a necessidade de se conferir impulso às discussões sobre a reforma da organização, em especial do seu Conselho de Segurança”, destacou.

O chanceler acrescentou que as diferentes propostas existentes nesse sentido precisam ser debatidas. “E pretendemos impulsionar esse processo”, garantiu. Ele informou que o Brasil propôs uma segunda reunião de chanceleres, antes da Cúpula do G20, em novembro. “O G20 se reunirá, pela primeira vez, dentro da sede da ONU, para promover um chamado à ação em favor da reforma da governança global”, avisou.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.