Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 13 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Não madrugou? Saiba o que rolou na “night” da Copa do Mundo Feminina

Campeão olímpico, Canadá decepciona. Suíça vence estreante Filipinas e Espanha resolve jogo em seis minutos contra a Costa Rica. Saiba como foram as estreias de Sinclair e da melhor do mundo Putellas

Avassaladora: a Espanha resolveu o duelo com a Costa Rica em seis minutos no primeiro tempo. – (crédito: Marty Melville/AFP)

Tudo bem se você não acordou ou esqueceu de programar o despertador. Bom dia! A gente passa a limpo o que rolou no segundo dia da Copa do Mundo Feminina na Austrália e na Nova Zelândia. Sim, o fuso-horário é punk, mas vamos atualizar o que rolou do outro lado do planeta. Sabe as atuais campeãs olímpicas? Tropeçaram contra a Nigéria. Culpa da Sinclair, hein! A dona do time perdeu pênalti e consagrou a goleira Nnadozie. A melhor do mundo Alexia Putellas também desfilou na passarela do torneio. Entrou no segundo tempo da vitória da Espanha.

Grupo B
Canadá 0 x 0 Nigéria
Estádio: Melbourne Rectangular (Austrália)

Atual campeão olímpico, o Canadá frustrou os fãs na estreia em busca do primeiro título na Copa do Mundo Feminina. Na madrugada desta sexta-feira, a seleção medalha de ouro nos Jogos de Tóquio-2020 empatou por 0 x 0 com a Nigéria pela primeira rodada do Grupo B. Na outra partida da chave, a anfitriã Austrália havia vencido a Irlanda por 1 x 0 e lidera a disputa por duas vagas para as oitavas de final com três pontos. Foi apenas o nono 0 x 0 na história da competição.

Uma imagem depois do apito final resume a sensação entre as duas seleções. A goleira Chiamaka Nnadozie, de 22 anos, comemorou o resultado como se fosse um título pessoal. A nigeriana defendeu pênalti cobrado pela craque Christine Sinclair. Maior artilheira em jogos com camisa de seleção no futebol feminino e masculino com 190 gols, a jogadora de 40 anos do Portland Thorns desperdiçou a oportunidade de se aproximar ainda mais da marca de 200 gols. Sinclair também se tornaria a primeira jogadora a marcar em seis edições consecutivas da Copa. Deborah Abiodun recebeu o primeiro cartão vermelho desta edição.

Grupo A
Filipinas 0 x 2 Suíça
Estádio: Dunedin Stadium (Nova Zelândia)

Uma das oito seleções estreantes na Copa do Mundo, Filipinas não foi páreo para a Suíça. Mesmo trabalhada no moderninho sistema 3-5-2, a seleção asiática resistiu, mas não conseguiu deter as europeias. O primeiro gol da partida saiu nos acréscimos do primeiro tempo. Ramona Bachmann, coleguinha de Neymar e Mbappé no Paris Saint-Germain, abriu o placar.

A Suíça ampliou o placar aos 19 minutos do segundo tempo graças a Seraina Piubel. Meia, a mina de 23 anos do FC Zurich decretou o placar final da partida. Comandada por Inka Grings, a Suíça disputa a Copa do Mundo pela segunda vez. Alcançou as oitavas de final em 2015 e tenta no mínimo repetir o feito nesta edição. Começou bem ao derrotar a frágil Filipinas. As debutantes no torneio contam com uma defensora empregada no Brasil. A zagueira Reina Bonta nasceu em New Haven, nos Estados Unidos, veste a camisa do Santos e defende a seleção das Filipinas.

Grupo C
Espanha 3 x 0 Costa Rica
Estádio: Wellington Regional (Nova Zelândia)

Atual número 1 do mundo, Alexia Putellas não começou como titular, mas entrou em campo na vitória de uma das favoritas ao título contra a Costa Rica. A estrela do Barcelona substituiu Salma Paralluelo na etapa final. A seleção ibérica abriu o placar aos 21 minutos da etapa inicial com Valeria del Campo e administrou a partida com facilidade. Dois minutos depois, Aitana Bonmatí fez 2 x 0. Esther González fechou o placar aos 27. Partida resolvida em apenas seis minutos.

Terminou 3 x 0, mas o resultado poderia ter sido mais elástico. Jennifer Hermoso desperdiçou uma cobrança de pênalti aos 34 minutos do primeiro tempo. Mérito da goleira Daniela Solera. Uma das inspirações dela é o compatriota Keylor Navas da seleção masculina da Costa Rica e reserva do Paris Saint-Germain. Alexia Putellas sofreu lesão grave na temporada, voltou a tempo de reforçar o Barcelona na conquista da Liga dos Campeões da Europa, mas tenta retomar o padrão de excelência na Copa do Mundo para ajudar a Espanha a conquistar o título inédito. O cabelo tingido, inclusive, é uma promessa. Ela pintaria se voltasse a tempo da final.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.