Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 20 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Marta chora e diz que “final” contra Jamaica não será despedida da Copa

Rainha eleita seis vezes melhor do mundo se emociona ao falar de legado, se diz pronta para jogar 90 minutos se Pia Sundhage desejar e vê a sueca fazer mistério diante da obrigação de vencer a Jamaica

Marta chora na entrevista coletiva antes da partida contra a Jamaica ao falar sobre legado e a possibilidade de ser a última partida dela Copas – (crédito: William WEST / AFP) )

Marta chora na entrevista coletiva antes da partida contra a Jamaica ao falar sobre legado e a possibilidade de ser a última partida dela Copas – (crédito: William WEST / AFP) )

“Estou tão focada na partida que não parei para pensar que esta pode ser minha última coletiva em uma Copa do Mundo, porque não vai ser. Estou confiante e acredito que vamos seguir na competição”, afirmou Marta, emocionada.

Aos 37 anos, a camisa 10 completou:” A Marta de 2007(vice na Copa do Mundo) tem mais experiência. Tenho que pensar mais em como agir em campo, porque eu era mais rápida, né? Com toda essa experiência, vou tentar de alguma forma, tanto dentro de campo, como fora, mostrar que somos capazes de vencer a Jamaica novamente. Aconteceu em 2007, aconteceu em 2019 e vai acontecer amanhã, assim espero”, profetizou a alagoana de Dois Riachos.

Não resta alternativa. Terceiro colocado no Grupo F depois de golear o Panamá por 4 x 0 e perder para a França por 2 x 1, o Brasil tem de derrotar a Jamaica para avançar às oitavas sem depender de uma improvável zebra panamenha contra a França. Vice-líder, a Jamaica tem a vantagem do empate contra a Seleção. As caribenhas conseguiram segurar as favoritas francesas na estreia ao segurar 0 x 0.

Sentada ao lado da técnica sueca Pia Sundhage na entrevista coletiva da Fifa, Marta não tem certeza da escalação contra a Jamaica, mas fez a parte dela. “Estou preparada para jogar, não sei quantos minutos, isso é com ela (Pia), mas se tiver que jogar os 90 minutos, vou jogar o tempo todo. Se tiver que jogar alguns minutos, vou jogar alguns minutos. Estou bem, treinando normal. Não tem nada que me impeça de entrar amanhã e jogar o tempo todo. Não sei se consigo jogar os 90 minutos, vou lutar para jogar os 90 se ela decidir me colocar em campo para jogar. Estou bem e preparada”, assegurou.

Marta ficou com os olhos marejados e a voz embargada ao falar sobre legado. “Eu não costumo pensar na Marta. Sabe o que é legal? Eu não tinha uma ídola no futebol feminino. Vocês (imprensa) não mostravam o futebol feminino. Como eu ia entender que eu poderia ser uma jogadora, chegar à Seleção, sem ter uma referência? Hoje, a gente sai na rua e os pais falam. ‘Minha filha quer ser igual a você’. Hoje, temos nossas próprias referências. Não teria acontecido isso sem superar os obstáculos. É uma persistência contínua. A gente pede muito que a nossa geração continue assim. A vovó que torce para o Corinthians. A gente fica feliz em ver tudo isso. Há 20 anos, em 2003 (primeira Copa do Mundo da rainha), ninguém conhecia a Marta. Em 2022, viramos referência para o mundo inteiro. Não só no futebol, mas no jornalismo também. Hoje, vemos mulheres aqui, o que não tinha antes. A gente acabou abrindo portas para a igualdade: comemorou a craque.

A referência do Brasil classificou o duelo contra a Jamaica como mata-mata, admitiu a tensão da partida e ponderou sobre o favoritismo canarinho. “Cada jogo é diferente. Favorito nem sempre ganha. Temos que respeitar o adversário independentemente de quem está do outro lado. São 11 contra 11. Nunca vi ninguém jogar com 12 ou 13. Temos que fazer acontecer dentro de campo, para que a gente possa se sentir confortável nessa situação. Antes da bola rolar, é tudo igual. Quando rolar, temos que mostrar o nosso futebol. Isso vai depender do nosso desempenho, até então, não tem nada definido”, observou.

Fria e calculista, Pia visivelmente engoliu o choro enquanto Marta se emocionava na entrevista. Questionada se Marta começará a partida contra a Jamaica, a sueca despistou. “Amanhã você verá quem está no time titular. Essa “velha moça” é importante para todos nós, claro, por toda experiência que ela tem. Vamos ver. O plano de jogo contra a Jamaica é muito importante, porque é agora ou nunca. Então, temos uma chance de jogar um bom futebol e tentar vencer a partida”, respondeu a treinadora.

Pia fez um alerta sobre a Dinamarca. “Estudar a outra equipe é muito importante e passar às jogadoras que tipo de jogo está por vir também. Um empate 0 x 0, a Jamaica está dentro, um 1 a 0 para o Brasil, nós estamos dentro. Um gol muda o jogo totalmente. Então, é claro que estamos preparadas para isso.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.