Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 19 de junho de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Startup acopla inteligência de dados para monitorar créditos de carbono em projeto no Pantanal

Com mais de 250 colaboradores, a Agrotools é a primeira Agtech B Corp Global e possui certificações GPTW e ISO 27001, referência Internacional para a gestão da Segurança da Informação.

Foto: Divulgação

O primeiro projeto de emissão de créditos de carbono do Pantanal, REDD+ Serra do Amolar, desenvolvido pelo Instituto Homem Pantaneiro (IHP), terá apoio da Agrotools, empresa líder em tecnologia e inteligência para o agronegócio, por meio do fornecimento de dados dos mais de 135 mil hectares, equivalente 200 mil campos de futebol, que serão monitorados pela agtech.

Este é o primeiro projeto no Pantanal, que é uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta, com certificação pela Verra, maior certificadora de créditos de carbono no mundo e líder na metodologia REDD – Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal.

Para Ângelo Rabelo, presidente do IHP, o uso da tecnologia fornecida pela Agrotools vai permitir um monitoramento efetivo, tanto para garantir a confiabilidade das estatísticas, bem como permitir a prevenção de desmatamento nessa área que é um corredor para a biodiversidade e espaço onde vivem onças-pintadas e outros animais selvagens.

“Esse projeto é um marco para a ação climática global e contribui para ampliar as iniciativas do conceito que é o de produção de natureza no Pantanal. Os projetos de crédito de carbono têm um papel importante na conservação da biodiversidade, pois direciona esforços para o monitoramento da vida selvagem e cria incentivos para a realização de pesquisas científicas. O apoio da Agrotools é extremamente importante, pois insere alta tecnologia e conhecimento na análise de toda a área. Esse é um critério fundamental para ser sistematizado”, afirma Rabelo.

Presidente do IHP, Ângelo Rabelo, no evento de lançamento da primeira certificação de créditos de carbono no Pantanal. Foto: Reinaldo Delgado/IMC

“Como a área que será analisada no projeto é muito grande, o monitoramento será feito de forma remota, e vai contar com o nosso aparato tecnológico, inteligência de dados, além dos dados espaciais e do histórico de vegetação que serão imprescindíveis no decorrer da ação, que vai precisar de revisão a cada 4 anos. É um projeto grandioso e a Agrotools estará presente como um guardião remoto geoespacial em prol da sustentabilidade e da transparência”, explica Breno Félix, Diretor de Produto da Agrotools.

Marco para a ação climática global

Instrumentos de incentivo à preservação, os créditos de carbono são gerados com o objetivo de recompensar financeiramente áreas em desenvolvimento por seus resultados de redução de emissões de gases de efeito estufa.

O REDD+ Serra do Amolar, que conta com apoio estratégico do Programa Conexão Jaguar, mantido pela ISA CTEEP, tem o objetivo de gerar conservação no Pantanal e permitir que recursos obtidos com essa proteção sejam revertidos para ampliar a atuação da Rede de Proteção e Conservação da Serra do Amolar (Rede Amolar). O projeto tem ainda 30 anos de duração para garantir a conservação de uma área localizada dentro da Reserva da Biosfera Mundial e que é Patrimônio Natural da Humanidade.

Foto: Diego Viana

Para o Diretor de Produtos da Agrotools, a digitalização e análise inteligente de informações são os principais caminhos para uma agenda ESG. “A coleta qualificada de dados e o monitoramento de territórios e cadeias produtivas de forma eficaz garantem o cumprimento dos critérios socioambientais de forma sustentável. A Agrotools atua com o propósito de contribuir com um mundo mais justo, verde e sustentável, além de ser instrumento para o desenvolvimento profissional e tecnológico da cadeia agroalimentar”, finaliza Félix.

Sobre a Agrotools

A Agrotools é o maior ecossistema de soluções digitais baseadas em uma plataforma de inteligência de dados para o agronegócio corporativo do mundo. Pioneira na utilização de novas tecnologias no agro, como sensoriamento remoto, IA, Blockchain e API’s, a bigtech utiliza tecnologia proprietária para entregar soluções digitais que analisam mais de 1.300 camadas de dados de múltiplas fontes com o objetivo de democratizar o acesso à informação no setor, sendo um pilar de eficiência, gestão de riscos e compliance ESG em qualquer operação com o campo. Hoje, a bigtech analisa mais de 4,5 milhões de territórios rurais e monitora R$ 15 bilhões em commodities. Além disso, são mais de R$ 50 bilhões em financiamento rural que contam com o suporte de ao menos uma das soluções da empresa, e cerca de R$ 100 bilhões em operações do agronegócio monitoradas.

Com mais de 250 colaboradores, a Agrotools é a primeira Agtech B Corp Global e possui certificações GPTW e ISO 27001, referência Internacional para a gestão da Segurança da Informação.

Sobre o IHP

Com mais de 20 anos de atuação, o Instituto Homem Pantaneiro (IHP) compartilha com a sociedade os desafios para a conservação do Pantanal e toda sua biodiversidade. O Instituto é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que atua na produção de natureza no bioma Pantanal, com respeito à história e à cultura local. Dentre as atividades desenvolvidas, destacam-se a gestão de áreas protegidas, o apoio a pesquisas e a promoção de diálogo entre os atores com interesse nas áreas.

Entre as atividades desenvolvidas pela instituição destacam-se a gestão de áreas protegidas, o desenvolvimento e apoio a pesquisas científicas e a promoção de diálogo entre os atores com interesse na área.

Os programas e projetos permanentes que o Instituto atua são Rede Amolar, Cabeceiras do Pantanal, Amolar Experience, Felinos Pantaneiros, Memorial do Homem Pantaneiro, Brigada Alto Pantanal e Estratégias para Conservação da Natureza. Saiba mais em https://institutohomempantaneiro.org.br/. O IHP também integra o Observatório Pantanal.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.