Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 15 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Lula enquadra PT e diz que não aceitará oposição do partido ao novo arcabouço

Lula afirmou que, mesmo não havendo acordo para o projeto do jeito que o PT gostaria, não admitirá racha em seu partido

(crédito: Evaristo Sá/AFP

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva não vai aceitar a oposição do PT ao projeto de lei do arcabouço fiscal. O aviso foi dado, ontem, pelo chefe do Executivo, durante reunião com ministros da coordenação de governo e líderes da Câmara e do Senado, no Palácio do Planalto.

Lula afirmou que, mesmo não havendo acordo para o projeto do jeito que o PT gostaria, não admitirá racha em seu partido. Na prática, dissidentes podem até mesmo perder indicações no governo e para ocupar cadeiras em comissões parlamentares de inquérito (CPIs). Dos 37 ministérios, 10 são comandados por filiados ao PT.

Na semana passada, o Planalto vetou o nome do deputado Lindbergh Farias (PT-RJ) para compor a CPI dos atos golpistas. Foi uma “punição” por ele ter criticado a proposta da nova âncora fiscal. Para Lula, o mais importante no atual projeto é manter intacta a política de valorização do salário mínimo e o Bolsa Família. Uma das ideias em discussão, porém, prevê que “gatilhos” para bloquear gastos sejam acionados em caso de descumprimento da meta.

O chefe do Executivo aceitaria negociar até mesmo restrições a novas renúncias fiscais e a despesas com funcionalismo e concurso público, por exemplo. Não admite, porém, que o ajuste das contas públicas atinja o Bolsa Família, o mínimo e o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Após a reunião no Planalto, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, se encontrou com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e com o relator do projeto, Cláudio Cajado (PP-BA), para acertar a estratégia de votação, nos próximos dias. A equipe do governo se dividiu para tentar convencer deputados sobre a importância de aprovar o novo arcabouço.

Na força-tarefa montada por Lula para aprovar o arcabouço, Haddad ficou encarregado de enviar integrantes de sua equipe técnica para explicar a deputados o impacto das medidas.

Ao mesmo tempo, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, terá conversas com líderes de partidos da base aliada, como MDB e PDT, e também com os que se dizem independentes, como União Brasil, PSD, Republicanos e Podemos.

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), assumiu, por sua vez, a missão de “tourear” o PT e outros partidos de esquerda.

“Espero que o governo bata o pé e defenda o projeto original apresentado pelo Haddad”, disse Lindbergh Farias, um dos petistas mais críticos à proposta. “O texto ainda está em disputa, e estou muito preocupado porque querem reintroduzir o contingenciamento de gastos, se não houver aumento da receita. Só que, num cenário como este, vamos cortar onde?”, questionou.

Para Lindbergh, uma coisa é defender o arcabouço fiscal de Haddad, e outra, o relatório de Cajado, ainda mais duro. “Até agora, isso está parecendo um tratado de austeridade fiscal para atacar a política do salário mínimo no governo Lula”, resumiu o parlamentar.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.